Bois no pasto

CRIAÇÃO DE BOIS: mais de 10.000 produtores acropecuários devem protestar em frente ao Congresso hoje / Ernesto Reghran/Pulsar Imagens (Ernesto Reghran/Pulsar Imagens/Divulgação)

Sob pressão de investidores e ONGs, grandes empresas de carne do Brasil estão lançando programas para ampliar o controle do gado que compram das fazendas da Amazônia. JBS, Marfrig e Minerva anunciaram projetos que vão tentar rastrear, desde o nascimento, todos os bovinos adquiridos para evitar comprar produtos que tenham origem em áreas desmatadas.

No caso dos grandes frigoríficos, a maior dificuldade está em garantir a origem do gado dos fornecedores indiretos – ou seja, aqueles que venderam o bezerro ou o boi magro para o fornecedor direto, que comercializa o animal pronto para o abate.

Os frigoríficos estão cientes de que a compra de gado que, em qualquer momento, tenha sido criado em áreas desmatadas pode afetar a imagem do setor e afugentar investidores e afetar o acesso a crédito. É de olho nesse perigo que essas iniciativas estão sendo criadas.

Ontem, a JBS, uma das maiores empresas do setor de carnes no mundo, lançou o programa Juntos pela Amazônia, que prevê, entre outras iniciativas, o uso da tecnologia Blockchain – a mesma da negociação de criptomoedas – para criar um grande banco de dados de todos os seus fornecedores, diretos e indiretos. “Vamos buscar informações do fornecedor do nosso fornecedor, cruzando os dados com listas do Ibama e análises geoespaciais”, disse o presidente global da JBS, Gilberto Tomazoni. “Isso permitirá 100% do controle da cadeia de fornecedores até 2025.”

Na semana passada, outra gigante do setor, a Marfrig, havia anunciado iniciativa semelhante. Em outubro, deve entrar em funcionamento uma ferramenta que cruza dados de satélites para localizar a origem e a movimentação de todo o gado abatido pela empresa, de fornecedores diretos e indiretos. Esse trabalho incluirá fazendas de cria (que produzem bezerros), de recria (que adquirem os bezerros e os mantêm até ele virar boi magro) e de engorda (que vendem o gado para o abate).

“Mapas de risco já existem, mas a grande novidade é justamente localizar a fase mais crítica da pecuária (cria e recria), para que possamos ser mais assertivos e fazer as ações voltadas a esta etapa da cadeia produtiva”, disse o diretor de sustentabilidade e comunicação corporativa da Marfrig, Paulo Pianez.

Veja também

Já o Minerva iniciou testes com o Visipec, ferramenta criada pela ONG National Wildlife Federation (NWF) e pela Universidade de Wisconsin-Madison, conta o diretor de sustentabilidade da empresa, Taciano Custódio. “Os criadores do Visipec desenvolveram um software de avaliação que se baseia nas emissões de GTAs (guia de trânsito animal, documento exigido no transporte de animais) e em suas ligações”, disse.

Por trás dessas iniciativas está a pressão cada vez maior de investidores nacionais e estrangeiros pela preservação da Amazônia – que, aliás, já afetou a JBS. Em julho, o grupo finlandês Nordea anunciou a exclusão do grupo brasileiro de todos os fundos que administra. Um dos argumentos foi exatamente o risco de desmatamento na cadeia de fornecedores.

Vigilância

Os problemas ambientais da cadeia da carne na Amazônia estão no radar dos bancos brasileiros. Itaú Unibanco, Bradesco e Santander lançaram um plano conjunto para discutir um plano de desenvolvimento sustentável para a Amazônia. E deixaram claro que a questão seria crucial na liberação de crédito. “Não vamos financiar (as empresas) dessa cadeia que estiverem nessas condições. Vamos montar um plano para desestimular o consumo de gado criado em área ilegal”, disse o presidente do Itaú, Candido Bracher, ao Estadão.

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here