juntos somos mais compra startup   antonio serrano

Antonio Serrano, presidente da Juntos Somos Mais: o executivo criou um programa de fidelidade dentro da Votorantim Cimentos em 2014 que se transformou em uma sociedade junto com a Gerdau e a Tigre em 2018 (Juntos Somos +/Divulgação)

A Juntos Somos Mais, sociedade criada pela Votorantim Cimentos, Gerdau e Tigre em 2018, fez sua primeira aquisição nesta quinta-feira, 24. O negócio adquirido foi a startup gaúcha Triider, uma espécie de “Uber da reforma”. A empresa é um marketplace que conecta profissionais da construção civil, como pedreiros, eletricistas e pintores, com clientes em potencial. 

Na transação com a Juntos Somos Mais, 100% das ações da startup foram vendidas ao grupo. O valor não foi divulgado. Apesar disso, os sócios fundadores, Juliano Murlick, Aline Murlick, Paulo Guilherme Gil e Thiago Murlick, continuam na empresa. “Nós queremos ser uma empresa founder friendly. Montamos um programa de ações da Juntos para retê-los. E eles estão animados, querem muito levar a startup para todo o Brasil”, diz Antonio Serrano, presidente da Juntos.

De acordo com Serrano, a Juntos estava em busca de uma solução que resolvesse um dos principais problemas dos profissionais da construção civil: a incerteza sobre quando será o próximo trabalho. Analisando o mercado brasileiro, eles descobriram a Triider, fundada em 2016. 

“Nos encantamos pelo time da Triider e pelo produto que eles desenvolveram”, diz Serrano. A empresa, que opera como Uber e Cabify, acompanha a execução do serviço contratado pela plataforma do começo ao fim, oferecendo garantias contra danos. Hoje, a plataforma deles está presente em dez cidades brasileiras e tem uma base de 1.000 prestadores de serviço. 

Veja também

A estratégia da Juntos

A Juntos Somos Mais nasceu dentro da Votorantim Cimentos em 2014. A empresa, na época, percebeu que podia aprimorar a retenção de clientes e a disseminação de informações sobre os produtos ao consumidor final. 

Para isso, criou um programa de fidelidade focado no desenvolvimento do lojista. A cada compra e venda feita, o empreendedor receberia pontos, que depois poderiam ser trocados por cursos, computadores e softwares de gestão. Atualmente são mais de 80.000 lojas e 70.000 profissionais da construção civil cadastrados. 

Em 2018, a iniciativa foi ampliada com a entrada da Tigre e da Gerdau. O programa, então, virou a sociedade da Juntos. Na época da coalizão, o e-commerce da Votorantim Cimentos foi ampliado, criando um marketplace focado na venda de produtos para os lojistas da construção civil. Hoje, mais de 20 marcas do setor estão vendendo pelo site. 

Veja também

A aquisição da Triide, então, acontece em um momento que a Juntos quer ampliar sua atuação no mercado de construção civil e oferecer novos serviços. Nos dois próximos anos, a empresa pretende investir pelo menos 50 milhões de reais em inovação e mais da metade desse dinheiro será investida na startup. A expectativa dos sócios é que a empresa cresca de cinco a dez vezes seu tamanho até o final de 2021. 

O restante do dinheiro será utilizado para a compra de outros negócios promissores. Hoje, a Juntos estuda o setor de logística, que é importante tanto para as indústrias quanto para os lojistas da construção civil. No momento, a companhia diz estar analisando a possível compra de duas startups. 

Em 2021, para acelerar os planos de inovação, a companhia busca um quarto sócio, de private equity, que queira investir 300 milhões de reais. De acordo com Serrano, eles querem um parceiro que esteja acostumado com gestão de empresas de alta velocidade de crescimento para ajudá-los com a governança do negócio.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here