Sede do BTG, na Av Faria LIma/ São Paulo BTG Pactual Digital Foto: Germano Lüders 10/08/2020

Sede do BTG, em São Paulo: o banco adotou medidas para reduzir a pegada de carbono de suas atividades, com a utilização de meios digitais para realizar reuniões e a instalação de placas solares (Germano Lüders/Exame)

O BTG Pactual (que faz parte do grupo que controla a EXAME) zerou as emissões de carbono do ano passado. A instituição financeira compensou 13 mil toneladas de CO2 por meio de créditos de carbono comprados de um projeto florestal no Uruguai. Além disso, o banco adotou medidas para reduzir a pegada de carbono de suas atividades, com a utilização de meios digitais para realizar reuniões e a instalação de placas solares no seu escritório de Medellín, na Colômbia. 

A conta das emissões utilizadas pelo BTG abrange os escopos 1,2 e 3, que incluem as emissões diretas e indiretas da organização. O banco compensou, por exemplo, o carbono emitido no deslocamento dos seus funcionários de casa para o trabalho e nas viagens de avião de seus executivos.

 “Nós analisamos os ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) da agenda da ONU e identificamos aqueles mais relevantes para nossa atividade, e o ODS 13, referente ao clima, é um dos temas onde podemos desempenhar um importante papel”, afirma Roberto Sallouti, CEO do BTG Pactual. Nossa intenção é reduzir o nosso impacto no clima a partir da adoção de medidas que emitam menos carbono, compensando as demais”

Além dessa iniciativa na área ambiental, neste mês, o BTG se tornou signatário UNEP-FI, Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. No início do ano, a instituição lançou uma área de investimentos de impacto, para fomentar a criação de negócios que aliam retorno financeiro e socioambiental. As análises de crédito do banco também passam pela análise da área ESG (meio ambiente, social e governança), que analisa o risco socioambiental de cada uma. 

Veja também

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here