imagem23-09-2020-15-09-23

Android: sistema viabilizou smartphones mais baratos e acesso da população à internet (Crédito/Shutterstock)

Um levantamento exclusivo da consultoria global Bain & Company mostrou que o ecossistema do sistema operacional Android contribuiu para a geração de uma receita estimada de 136 bilhões de reais nas empresas diretamente envolvidas com o Android – indústrias de hardware, software e conectividade – no Brasil em 2019. O valor representou 2% do produto interno bruto do país no período.

O estudo completo será divulgado em uma live realizada pela EXAME no dia 30 de setembro, às 10 horas. O evento virtual, gratuito e aberto ao público, será conduzido pelo diretor de redação da revista EXAME, Lucas Amorim e contará com a participação de Lívia Moura, sócia da Bain & Company, Maia Mau, head de marketing de Android para a América Latina, e Luis Felipe Monteiro, secretário de Governo Digital do Ministério da Economia. As inscrições podem ser feitas no site.

“O levantamento reuniu informações das especialistas do mercado, líderes do setor de telecomunicações e tecnologia, profissionais responsáveis pelo desenvolvimento de aplicativos, além de usuários de smartphones para criar o maior estudo já feito sobre o Android no país”, afirma Lívia Moura, sócia da Bain & Company.

Empregos

Além da receita gerada pelo Android no Brasil, o levantamento mostrou que 630.000 empregos foram gerados pela cadeia de valor direta da plataforma, o que equivale a aproximadamente 35% dos trabalhadores da indústria de tecnologia e telecomunicações.

“O estudo nos trouxe dados para entender em detalhes a importância do ecossistema para a economia do país, gerando empregos e inclusão digital para milhões de pessoas”, afirma Maia Mau, head de marketing de Android para a América Latina.

Mais do que empregos, o sistema operacional contribuiu para a expansão da força de trabalho de desenvolvedores. Segundo o estudo, 80% deles trabalham com Android e 73% dos profissionais consideram o sistema operacional como sua plataforma principal de programação. Os entrevistados ainda declararam ter dedicado cerca de 66% de seu tempo total de programação em 2019 ao Android.

Para 83% dos desenvolvedores, o ecossistema altamente colaborativo é um dos motivos mais importantes para a escolha da plataforma, o que ajuda a fomentar a inovação e possibilita o surgimento de novas aplicações que impactam de forma positiva a vida dos brasileiros.

O Android também é a porta de entrada para o mundo da programação. O estudo mostrou que 78% dos desenvolvedores iniciaram sua trajetória utilizando a plataforma. A maioria é jovem e metade deles não possui ensino superior completo. Esses desenvolvedores estão concentrados na Região Sudeste e acreditam que a carreira ofereça boas perspectivas financeiras.

Democratização

O estudo é inédito no Brasil, um dos cinco maiores mercados do Android no mundo. Mais de 90% dos brasileiros usuários de smartphone usam dispositivos com o sistema operacional do Google.

De acordo com o levantamento da Bain & Company, o sistema aberto gratuito, dinâmico e acessível do Android foi um dos responsáveis por aumentar o acesso da população à internet, ao viabilizar o lançamento de uma ampla gama de smartphones com capacidade, funcionalidade e faixas de preços diferentes. Hoje, 80% das pessoas das classes D e E pagam menos de 1.000 reais por um smartphone no Brasil.

Nos últimos dez anos, o país passou por um processo de ampliação e democratização do acesso à internet. De 2010 para 2018, a parcela da população conectada à internet aumentou de 41% para 70%. Já nas classes D e E esse número cresceu de 13% para 48%. Só nos últimos cinco anos cerca de 24 milhões de brasileiros passaram a ter acesso à internet por meio de um dispositivo Android.

Em 2019, 71% das pessoas que se conectaram à internet pela primeira vez o fizeram via smartphone e 51% têm o smartphone como único meio de acesso à web, sendo que nas classes D e E esse número sobe para 83%.

Hoje, 97% dos usuários de internet no Brasil estão conectados por meio de um smartphone e 90% utilizam o aparelho todos os dias para educação, finanças pessoais, notícias, fotografia, lazer e navegação.

Com a pandemia de covid-19 e com o isolamento social, a frequência e a diversidade de usos do smartphone aumentaram, acelerando uma transformação digital que já vinha ocorrendo. A crescente digitalização da população vem acompanhada da digitalização de diversos serviços públicos, o que permitiu durante o período acesso digital ao serviço de auxílio emergencial do governo, por exemplo.

Para o futuro, o levantamento estima que o ritmo de inovação continuará acelerado nas indústrias de hardware, software e conectividade. Aparelhos e acessórios devem se tornar ainda mais acessíveis e oferecer mais capacidade e novas funcionalidades, como connected devices e internet das coisas. Ao mesmo tempo, novos modelos de negócios baseados em aplicativos tendem a atender necessidades cada vez mais complexas dos usuários.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here