Servidor da área de nutrição usou de conhecimentos de TI para inovar na pandemia

 

JOSIANE CANTERLE, DA AGÊNCIA SAÚDE DF

 

Foto: Divulgação/SES-DF

As mudanças de rotina com a chegada da pandemia afetaram todos os setores da saúde e despertaram a necessidade de criar novas formas de comunicação a fim de evitar a contaminação entre as equipes de trabalho. No Hospital Regional de Taguatinga (HRT) um servidor da área de nutrição usou seu conhecimento de informática e criou um aplicativo para que a equipe fizesse os registros, dispensando a necessidade de caneta e papel ou partilha de outros materiais e equipamentos, reduzindo a possibilidade de contágio e agilizando os relatórios.

 

Israel Alves da Silva é técnico em Nutrição e há três anos está lotado no HRT. Também formado em Tecnologia da Informação, Israel viu muitos colegas adoecerem logo no início da pandemia e buscou na tecnologia uma alternativa para diminuir o contato com materiais e superfícies entre os servidores.

 

A saída encontrada pelo técnico foi a criação de um aplicativo. “Na verdade, o aplicativo é bem simples. Ele nasceu a partir de uma página que eu fiz com acesso ao e-mail que a gente já tinha. Então transformei um site gerencial em um aplicativo. Os relatórios são gerados para nós, para o nosso próprio trabalho e facilitando o acesso aos indicadores”, relata Israel.

 

Para o diretor do HRT, Wendel Moreira, é fundamental ter servidores com esse tipo de iniciativa. “Parabenizamos esses servidores por essa atuação em meio à crise. Eles são a razão e o significado puro de resiliência”, destaca o gestor.

 

imagem01-09-2020-17-09-03Atualmente o aplicativo é utilizado somente pelo Núcleo de Nutrição Dietética do hospital, que é composto por 25 técnicos em nutrição e 20 nutricionistas. Uma área do aplicativo pode ser acessada também pelos servidores que fazem uso do refeitório do HRT para que avaliem a refeição do dia. Desde que foi implementado, o app já registrou mais de 500 ocorrências que geraram relatório com informações como número de ocorrências de inconformidades, de limpeza e conservação, falta de pessoal, objetos na comida, como cabelo, por exemplo. Esses dados são repassados aos gestores da unidade e, também, para exigir o cumprimento das regras e do contrato pela empresa prestadora de serviço contratada para o fornecimento da alimentação hospitalar.

 

Alguns dos resultados com o uso do aplicativo pelos servidores do setor foi a diminuição no uso compartilhado de computadores, de telefone, papel e prontuários, o acesso restrito em setores e menor aglomeração em salas. “A gente economiza de duas a três resmas de papel por dia, assim como o uso de impressora. Quando a chefia vai para uma reunião não precisa levar o material impresso, basta mostrar no celular pois os relatórios estão sendo atualizados on-line, instantaneamente, o que ajudou muito o nosso trabalho”, destaca Israel.

 

Entre outras facilidades que o app trouxe para a equipe estão a marcação e programação de férias e abono direto no celular sem haver a necessidade de deslocamento do servidor até a chefia, bem como as adequações de escala, o que otimizou o tempo e o fluxo de trabalho. Também os murais de avisos e os vídeos de treinamento para paramentação e uso de Equipamento de Proteção Individual, além de reuniões por vídeo conferência que são disponibilizadas no aplicativo. O app também permite o acesso ao contracheque e ao sistema SEI facilitando muito o dia a dia dos servidores.

 

O próximo passo será a ampliação do uso do aplicativo para os pacientes do hospital para que estes possam avaliar as refeições servidas na unidade, dando um retorno rápido à equipe responsável.

 

EDIÇÃO: JOHNNY BRAGA

REVISÃO: JULIANA SAMPAIO

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here